O que rolou fora da TV com a seleção...

    Compartilhe

    regis
    Piloto Oficial GRIDLFS
    Piloto Oficial GRIDLFS

    Número de Mensagens : 852
    Idade : 49
    Pontos : 1055
    Data de inscrição : 31/07/2009

    O que rolou fora da TV com a seleção...

    Mensagem por regis em 08/06/10, 04:36 pm

    Se tínhamos alguma duvida quanto a seleção estar pronta para o mundial...ai vai!
    *observem que por falta de união, não é...talvez pelo time todos desconfiem.

    Que Felipe Melo e Lúcio gritam palavrões durante todo o jogo, não é
    preciso ser um gênio para adivinhar, mas seria impossível supor o bom
    moço Kaká e o franzino Robinho encarando, provocando e ameaçando
    jogadores da Tanzânia. Era ver para crer.

    Eu estava lá para observar o time brasileiro, mas antes mesmo de o jogo
    começar, vale a pena relatar o desespero de um DJ. Ele estava
    controlando a insuportável seleção de reggaes que deveria servir para
    animar a torcida no estádio, mas o volume era tão ensurdecedor que o
    preparador físico da seleção, Fábio Mahseredjian, foi atrás do gol para
    pedir que abaixasse. Estava impedindo os jogadores de ouvir os comandos
    dele e do outro preparador, Paulo Paixão. Fabio foi desprezado pelo DJ, e
    o reggae continuou a massacrar os tímpanos de quem estava no gramado,
    já que gigantescas caixas de som foram colocadas na pista de atletismo.

    Mas a raiva de Fábio trouxe má sorte ao DJ. Era ele também quem
    controlava os Hinos nacionais que foram tocados antes da partida. No do
    Brasil, nenhum problema. No da Tanzânia, o constrangimento. O CD devia
    estar desgastado, riscado, e ficou repetindo o refrão por várias vezes. A
    torcida ficou irritada. Os jogadores locais, possessos. O Hino
    recomeçou do início. A bronca que o DJ tomou de um general do Exército
    da Tanzânia foi absurda. Ele esteve a ponto de dar um soco, mas depois
    se acalmou. Praga do preparador físico brasileiro.

    Começa a partida. Nos primeiros 25 minutos, pressão pelo lado esquerdo
    da defesa brasileira, nas costas de Michel Bastos. Juan chegou a tomar
    uma bola no meio das pernas ao tentar cobrir o lateral. Lúcio ficou
    possesso e passou a desabafar, xingando todos com os palavrões possíveis
    e imagináveis. Xingou e olhou para cima, para não desmoralizar Michel.
    Nem as vuvuzelas, praga em toda a África, impediam de ouvir os palavrões
    em bom português. Lúcio fez gestos irritados ao bandeira, mas depois,
    sutilmente, olhou para o lateral. O capitão manda.

    - Presta atenção, p...

    Juan foi mais sutil, mais suave. Chegou perto e falou ao ouvido de
    Bastos. Lúcio é a explosão e Juan, a razão. Michel Bastos tratou de
    defender mais o seu setor. O problema foi resolvido.

    A dupla de zaga brasileira está muito entrosada, não conversa, mas se
    entende pelo olhar e gestos. É muito interessante, reação típica de quem
    se conhece há anos. Lúcio e Juan sabem que formam uma das melhores
    duplas de zagueiros do mundo, porque se completam.

    Já Felipe Melo merece um câmera o acompanhando em todas as partidas. Ele
    provoca, encara, xinga os adversários, principalmente os que estão se
    destacando no ataque adversário. Foi assim com os jogadores de Tanzânia.
    Mal conseguiam um drible, uma tabela ou chute a gol, bastava a bola
    ficar do outro lado do campo e ele se aproximava, ficava olhando com
    cara de briga e soltando vários palavrões em português. E a tática
    funciona. Alguns adversários, assustados, saíram de perto dele e
    passaram a tocar a bola ao chegar no volante. O que resolveu encará-lo,
    depois de uma dividida, voou, foi se queixar com o árbitro e passou a
    jogar longe de Felipe.

    Seu companheiro de intermediária é um “gentleman”. Gilberto Silva segue a
    escola de Juan e prefere falar ao pé do ouvido, até mesmo com o
    adversário. Experiente, com duas Copas nas costas, não quer chamar a
    atenção. E o mais importante: é respeitado. Os que escutam suas
    orientações ou cobranças têm a mesma reação: afastam-se, balançando a
    cabeça afirmativamente.

    A maior preocupação de Dunga era Kaká. Durante todo o jogo o treinador
    ficou olhando e fazendo sinais de incentivo ao meia. Gritava “Vai, vai,
    vai”, como um pai acompanhando o treinamento de um filho adolescente. No
    gol de peito, o técnico vibrou como uma avó ao saber que seu neto
    passou no vestibular. As orientações e gestos de incentivo duraram até o
    final do jogo.

    Ao lado do gramado, deu para perceber a tristeza de Julio Baptista. Ele
    treinou muito e esperava entrar contra a Tanzânia, mas Dunga o havia
    avisado que só jogaria se Kaká não suportasse o ritmo, pedisse para
    sair. Resultado: o meia reserva assistiu ao jogo com as mãos no queixo,
    desapontado. Dunga nem o mandou aquecer, e o jogador ficou sentado no
    banco, vendo Kaká.

    Por falar nele, o meia do Real Madrid se mostrou influenciado pelos
    recentes cortes de jogadores importantes da Copa. Bastava qualquer
    adversário dividir com força a bola com ele e o bom moço desaparecia.
    Encarou, provocou, ameaçou a todos que ousaram fazer falta nele, sujar
    seu uniforme. Empurrou, não aceitou pedidos de desculpas e pediu cuidado
    com as entradas aos jogadores da Tanzânia, principalmente os pontapés
    por trás. Ele até revidou algumas faltas. Robinho, Luís Fabiano, Elano e
    Felipe Melo eram seus guarda-costas. Se ele discutia com alguém, quando
    a bola estava longe, um deles logo se aproximava do jogador e o
    encarava.

    É muito interessante perceber quantas coisas acontecem quando as câmeras
    estão seguindo a bola. Robinho rouba a cena. Ele é folgado, desafia o
    adversário e o encara até que fale alguma coisa, e aí xinga. E só quem é
    xingado ouve. Na próxima bola que recebe, procura o rival para o
    drible. É assim que busca falta, cartão amarelo, vermelho. Não há santo
    no futebol.

    Por duas vezes, ficou evidente o quanto Luís Fabiano quer mudar a sua
    imagem. Ele discutiu com marcadores, xingou, ofendeu as mães dos
    zagueiros. Quando o clima parecia que ia esquentar, ele virava as
    costas. Parecia lembrar que estava com a camisa da seleção e não da
    Ponte Preta, quando as suas expulsões eram perdoadas. Mas Luís Fabiano
    se cobrava, não se perdoava quando chutava mal a bola. Sua raiva era
    evidente por não conseguir marcar. Ele já soma três coletivos e dois
    jogos em branco. Quando o jogo acabou, ele não quis olhar para ninguém.

    Em compensação, Ramires falava e sorria sozinho de tanta felicidade. A
    bola estava do outro lado do campo e ele correndo sorrindo, sabe que vai
    ser útil de verdade na Copa do Mundo. Foi emocionante.

    Além dos palavrões novos, algo fica marcado para quem acompanha ao lado
    do gramado a seleção de Dunga jogar para valer. Ela passa os 90 minutos
    atuando com raiva. Em cada lance fica nítido esse sentimento. Os
    jogadores compraram para valer a ideia de que são eles contra todos.
    Essa filosofia trouxe união. Os atletas se apoiam, cobram-se mutuamente e
    não admitem qualquer desrespeito por parte do adversário, além de
    protegerem Kaká, com a devoção de irmãos mais velhos para com o caçula, o
    mais talentoso da família.

    Para o bem ou para o mal, o Brasil de Dunga está pronto. Que venha a
    Copa do Mundo.


    Um Jornalista presente no estádio.


    _________________

    TJ
    Piloto Profissional
    Piloto Profissional

    Número de Mensagens : 224
    Idade : 26
    Pontos : 228
    Data de inscrição : 21/09/2009

    Re: O que rolou fora da TV com a seleção...

    Mensagem por TJ em 08/06/10, 07:20 pm

    Não da pra saber a intenção nem a origem desse texto mas tudo bem..

    Achei meio exagerado em alguns pontos..

    A unica coisa que achei estranha nessa ultima atuação da seleção foi o comportamento do Luis Fabiano... parece que está perdendo a cabeça.. tem q tomar cuidado com isso pra nao desvirtuar...

    Fora isso achei tb a seleção com mt salto alto, toda hora reclamando e batendo nos outros jogadores... para né... a sensação é que estão pensando "eu jogo na europa, esses caras sao uns merdas q se fodam".. coisa meio ridicula de se ver..

    Apesar disso acho q temos boas chances pra essa copa Smile

    regis
    Piloto Oficial GRIDLFS
    Piloto Oficial GRIDLFS

    Número de Mensagens : 852
    Idade : 49
    Pontos : 1055
    Data de inscrição : 31/07/2009

    Re: O que rolou fora da TV com a seleção...

    Mensagem por regis em 08/06/10, 07:21 pm

    em matéria de porrada, a gente vai estar bem...hehehe


    _________________

    armelim
    Chefe de Equipe
    Chefe de Equipe

    Número de Mensagens : 190
    Idade : 42
    Pontos : 204
    Data de inscrição : 03/03/2010

    Re: O que rolou fora da TV com a seleção...

    Mensagem por armelim em 09/06/10, 01:08 am

    EU AINDA PREFERIA O TIME DO TABAJARA ESPORTCLUBE.....TIME MAIS ATUAL ..E TEM A CARA DO DUNGA..[QUE SAUDADES DO TELE SANTANA]

    Gabriel Casagrande
    Chefe de Equipe
    Chefe de Equipe

    Número de Mensagens : 136
    Idade : 21
    Pontos : 203
    Data de inscrição : 15/10/2009

    Re: O que rolou fora da TV com a seleção...

    Mensagem por Gabriel Casagrande em 09/06/10, 06:20 pm

    Não sou santista, mas pega o ataque deles, coloca uma defesa boa e o Júlio César, é melhor!

    Conteúdo patrocinado

    Re: O que rolou fora da TV com a seleção...

    Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 08:47 pm


      Data/hora atual: 03/12/16, 08:47 pm